domingo, 28 de dezembro de 2014

Aliança com Deus traz a totalidade das bênçãos


Genesis 12.1-3
Então o SENHOR disse a Abrão: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei. Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção. Abençoarei os que o abençoarem e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem; e por meio de você todos os povos da terra serão abençoados”.
1. Pano de fundo
  • Para entendermos como a aliança com Deus traz a totalidade das bênçãos em nossas vidas, é preciso voltar até a criação do homem, lá no Éden em Genesis 1.27-30.
  • No momento em que Deus cria o homem e a mulher, Deus os abençoa em tudo: família, saúde, prosperidade, provisão, domínio e poder, etc.
  • Entretanto, com a queda, o homem começou a ter sua natureza moral corrompida pelo pecado e por causa da iniqüidade do homem, os ouvidos de Deus estão tapados para que não ouça as nossas orações. "Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça" diz Isaías 59.2.
  • Para que as bênçãos sobre a vida do homem possam ser restauradas é preciso que o homem volte a ter aliança com Deus.

No texto que lemos de Gn 12, vemos Deus chamando um homem, Abrão, e firmando com ele uma aliança. Uma aliança que faria não apenas que Abrão e sua família fossem abençoados, mas também que essas bênçãos se estenderiam por toda a sua descendência. Essa promessa de Deus se cumpriu na vida de Abraão – ele foi um homem muito rico e próspero no seu tempo – se cumpriu também na vida daqueles que andavam com ele, mesmo não tendo aliança com Deus – como foi o caso de Ló – e também a promessa foi cumprida em toda a sua descendência. A seguir, veremos três aspectos da aliança que Deus fez com Abraão e como esta traz a totalidade das bênçãos para nós hoje.
2. Aliança baseada em obediência

Quando Deus chegou-se a Abraão, Ele impôs algumas condições: devia deixar a sua terra, a sua parentela, a casa de seus pais e seguir para uma terra distante, a qual não conhecia. Estas condições implicavam basicamente numa coisa: obediência. Fica claro, no texto, que ele dependeria exclusivamente da direção de Deus.
Além disso, vemos no texto que a obediência não impõe só condições, mas traz também privilégios. Abraão seria pai de uma grande nação, abençoado, engrandecido e uma bênção para todas as famílias da terra. E mais: aqueles que o abençoassem seriam abençoados; os que o amaldiçoassem, seriam amaldiçoados.
Todas as vezes que Deus determinou alguma coisa a alguém, o intuito não era o obedecer por obedecer, ou simplesmente para fazer valer a sua soberania. Havia um propósito pré-estabelecido. Neste caso, o propósito maior era formar uma nação pela qual o redentor, Jesus Cristo, viesse ao mundo. Se Abraão não obedecesse, ficaria privado de ter o privilégio de constar em sua biografia o registro de progenitor da raça judaica que trouxe o salvador da humanidade.
Toda prosperidade bíblica é baseada primeiramente em obediência
Prosperar não é pecado! Deus se alegra em fazer seus filhos prosperarem e esta prosperidade é conseqüência da aliança com Deus. E como estando debaixo da aliança, toda a prosperidade que vem de Deus ela, antes de qualquer coisa, é submetida à obediência à Palavra do Senhor.
Isaías 1.19: Se quiserdes, e obedecerdes, comereis o melhor desta terra.
Malaquias 3.10: Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.
Salmo 112.1-3: 1 Feliz o homem que teme ao SENHOR e tem grande prazer nos seus mandamentos. 2 A sua descendência será poderosa na terra; será abençoada a geração dos justos. 3 Na sua casa há prosperidade e riqueza, e a sua justiça permanece para sempre.
As bênçãos que Deus descreveu em Deuteronômio 28.1-14 se manifestam em conseqüência da obediência. “Se vocês obedecerem fielmente ao SENHOR, o seu Deus, e seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos que hoje lhes dou...”
Deus chama o seu povo para ser próspero e até o estimula a prová-lo para obter essa prosperidade, caso nós sejamos obedientes a Ele e aos seus mandamentos.
3. Aliança baseada em semear
Provérbios 3.9-10: “Honra ao SENHOR com os teus bens e com as primícias de toda a tua renda; e se encherão fartamente os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares.”
Nunca iremos experimentar a totalidade das bênçãos de Deus em nossas vidas se não nos tornarmos fiéis a Deus na entrega dos dízimos e das ofertas, ou seja, se não tivermos um coração pronto para semear. Os patriarcas entenderam isso e mesmo antes de ser estipulado como lei por Moisés, quatrocentos anos antes, Abraão já entregava o dízimo numa atitude de gratidão pela vitória alcançada contra os seus inimigos na guerra (Hebreus 7.2) e Jacó reconhecia a benção de Deus sobre sua vida (Genesis 28.22).
Dizimar e Ofertar são atitudes de pessoas que têm aliança com Deus
Deuteronômio 26.10-11: "Eis que, agora, trago as primícias dos frutos da terra que tu, ó SENHOR, me deste. Então, as porá perante o SENHOR, teu Deus, e te prostrarás perante ele. Vocês se alegrarão por todo o bem que o SENHOR, teu Deus, te tem dado a ti e a tua casa...”
Quando Deus retirou o povo da terra do Egito e o fez entrar na terra prometida, Deus estipulou a Festa das Primícias ou Primeiros Frutos. Esta festa baseava-se em entregar os primeiros frutos de tudo que era produzido na terra de Israel e oferecê-los a Deus. Fazendo isto, o povo de Israel declarava a libertação da escravidão da terra do Egito e o cumprimento da promessa feita por Deus a Abraão de que daria ao povo uma terra, se lembrando da aliança que foi feita entre Deus, Abraão e toda a sua descendência.
Quando hoje nós entregamos os dízimos na casa de Deus, nós declaramos que dependemos totalmente de Deus e que não temos outro Deus a não ser Ele (Mateus 6.24). Quando entregamos os dízimos, estamos sendo obedientes à sua Palavra que diz “que nós devemos trazer todos os dízimos a Casa do Tesouro”. Diz também que, fazendo assim, Deus abrirá as janelas do céu e nos abençoará de tal maneira "que não haverá lugar para guardar!".
Levítico 1.2: “Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando algum de vós oferecer oferta ao Senhor, oferecerá a sua oferta de gado, isto é, de gado vacum e de ovelha” .
A palavra hebraica para ofertar vem de uma raiz que significa “aproximar-se”.
A raiz da palavra Korban é a mesma que a da palavra “proximidade”, e é utilizada exclusivamente referindo-se ao relacionamento entre o homem e Deus. Quando uma pessoa trazia um Korban, ela estava querendo aproximar-se de Deus.

2 Coríntios 9.6: “aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará”. Quanto mais nós ofertamos na Casa de Deus, mais nós fazemos com que Deus mova suas mãos para nos abençoar.
Dizimar e ofertar não são coisas naturais, mas sobrenaturais! Não deixe de aproveitar destes benefícios. Deus tem um interesse em suas finanças. Ele deseja aumentá-lo e abençoá-lo porque Ele ama você.
4. Totalidade das bênçãos
A prosperidade de Deus não é apenas bênçãos financeiras. Inclui também cura, proteção, favor, sabedoria, sucesso, bem estar e cada coisa boa que você possivelmente poderia precisar. E tudo isso, foi conquistado na cruz do Calvário através de Jesus.
Isaias 53.5b diz, "o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. A palavra hebraica para a paz neste versículo é “shalom” e significa simplesmente "nada faltando, nada quebrado" ou totalidade, plenitude, integridade em cada área de sua vida, espírito, alma e corpo.
Ele tomou o nosso lugar e suportou a maldição de nosso pecado para que nós possamos assim, viver na bênção.
Em Gálatas 3.13-14 temos: "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro, para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos, pela fé, o Espírito prometido.”
Leia texto bíblico em Deuteronômio 28.1-14 e veja todas as bênçãos que Deus prometeu ao seu povo.